Caso Ex-escoteiros: Justiça aceita pedido do MP e ex-chefe vira réu

572

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul aceitou na segunda-feira, 13, o pedido do Ministério Público de Soledade entregue ainda em novembro de 2019, no qual, o promotor Jerônimo Bill Sherer pediu a preisão preventiva de A.C.L , ex-chefe do grupo de escoteiros de Fontoura Xavier. Além da prisão, o MP também ingressou com uma denúncia por estupro de vulnerável e violação sexual.
No documento, apesar de 19 jovens terem ingressado com a ação, apenas 14 vítimas foram relatadas no caso.
O pedido de prisão preventiva não foi aceito pela justiça, mas o ex-chefe deverá ser julgado em liberdade e nas próximas etapas será citado e após dar reposta a acusação, além disso, o MP recorreu ao pedido de prisão, sendo que além deste, outros dois foram feitos.

Relembre:
Um grupo de ex-escoteiros conta ter sofrido abuso sexual enquanto integravam o Grupo Escoteiro Guamirim, de Fontoura Xavier. Há 18 depoimentos na Polícia Civil com detalhes do que teria ocorrido ao longo de anos no Guamirim, que encerrou as atividades em 2017.
Os depoimentos sobre supostos abusos começaram a ser coletados em dezembro de 2018, na Delegacia Regional de Soledade, depois de um registro feito por um ex-escoteiro por estupro de vulnerável. Em janeiro, a Justiça autorizou que a polícia fizesse buscas na casa do suspeito, que é bancário e atualmente mora na Região Metropolitana. Foram apreendidos telefones celulares, pendrives, tablets, notebooks, DVDs, videogame, HDs externos, MP3 e um revólver. O conteúdo dos equipamentos está sob análise do Instituto-Geral de Perícias (IGP).

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome