InícioDestaqueEm Brasília, governador Ranolfo busca reverter decisão que impede instalação de usina...

Em Brasília, governador Ranolfo busca reverter decisão que impede instalação de usina termelétrica em Rio Grande

Estado quer uma revisão da medida que cassa a outorga do projeto de R$ 6 bilhões

O governador Ranolfo Vieira Júnior esteve em Brasília, nesta segunda-feira (9/5), para uma reunião com a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O Estado busca obter, junto à Aneel, a outorga da usina termelétrica (UTE) de Rio Grande. A outorga é o último passo para garantir a instalação do empreendimento.

“Tivemos uma reunião muito importante para tratar desse investimento, o maior investimento privado do Estado do RS, que vai gerar mais de 3 mil vagas de emprego diretas e indiretas. Temos um impasse com relação à decisão da Aneel. Agora, a Procuradoria-Geral do Estado e a área jurídica da Aneel vão buscar uma solução para esse impasse”, afirmou o governador.

- Advertisement -

O Grupo Cobra recebeu, em fevereiro deste ano, duas licenças emitidas pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para a instalação de novos empreendimentos em Rio Grande, ambos relacionados à instalação de uma usina termelétrica a gás natural. O investimento seria de cerca de R$ 6 bilhões, o maior investimento privado já realizado no Estado. A secretária de Meio Ambiente e Infraestrutura, Marjorie Kauffmann, também ressalta que, desde 2019, o Estado vem implantando melhorias de infraestrutura e disponibilidade de linhas de transmissão para viabilizar esse e outros investimentos no setor energético.

O procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, explicou que, durante a reunião, foi feito um pedido, por parte do governo do Estado, para que o diretor-relator da Aneel, Sandoval Feitosa, atribua efeito suspensivo ao recurso, suspendendo, temporariamente, a decisão que revoga a outorga atribuída à empresa Bolognesi Energia S.A., para avaliar com maior profundidade a capacidade do Grupo Cobra, empresa que está interessada em realizar o empreendimento em Rio Grande. “Postulamos que seja atribuído efeito suspensivo para evitar um dano irreparável até que haja uma nova análise aprofundada do projeto”, disse o procurador-geral.

Em 2014, a empresa Bolognesi Energia S.A. venceu o leilão da Aneel, que previa a planta em operação até janeiro de 2019. Uma vez que a empresa não apresentou plano de execução de obras, a Aneel, em 2017, extinguiu a outorga.

As tratativas para a revogação da decisão da Aneel sobre a UTE Rio Grande começaram em 2018. Em 2021, a termelétrica de Rio Grande obteve liminar favorável da 2ª Vara Federal de Rio Grande para suspender a revogação da outorga da Aneel e estabelecer um novo cronograma de implementação do empreendimento.

Apesar da emissão das licenças por parte da Fepam, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deferiu, em abril deste ano, liminar em favor da Aneel, restabelecendo a revogação da outorga e a rescisão dos contratos. O Estado busca, portanto, reverter essa decisão.

Além do governador, da secretária Marjorie e do procurador Eduardo Cunha da Costa, participaram da reunião na Aneel a secretária Patrícia Kotlinski (Relações Federativas e Internacionais), o secretário Agostinho Meirelles (Apoio à Gestão Administrativa e Política), o gerente de Planejamento e Desenvolvimento da Portos RS, Fernando Estima, o senador Lasier Martins, o deputado federal Daniel Trzeciak, o deputado estadual Luiz Henrique Viana e o prefeito de Rio Grande, Fábio Branco.

* Fonte Secom

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome

SIGA-NOS

42,064FãsCurtir
11,807SeguidoresSeguir
1,140InscritosInscrever

ÚLTIMAS

error: Alerta: Conteúdo protegido contra cópia. Utilize nossos botões de compartilhar.