InícioDestaqueProjeção de safra de verão indica quebra de 21% no milho e...

Projeção de safra de verão indica quebra de 21% no milho e 16% na soja, conforme levantamento da Emater

A projeção de safra das principais culturas de verão foi apresentada nesta terça-feira (3), em café da manhã com a imprensa promovido pela Emater, conveniada da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), durante a Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. O levantamento preliminar, feito em todo o Estado durante a segunda quinzena de fevereiro, aponta para perdas decorrentes da estiagem, com maior impacto nas culturas de milho e soja. Os dados da Emater indicam que Rio Grande do Sul deve colher 28,7 milhões de toneladas nesta safra, com valor bruto da produção na ordem de R$ 32,72 bilhões.

“Com expectativa de não termos chuva nos próximos dias, a situação das lavouras pode ser agravada e termos a evolução do status de estiagem para seca”, disse o secretário da Agricultura, Covatti Filho, ao lado do presidente da Emater, Geraldo Sandri, e do diretor técnico, Alencar Rugeri.

A estimativa de safra aponta para perdas mais expressivas no milho grão, com redução de 21,2% na produção e 22,3% na produtividade, com 5.991 kg/hectare. Embora a área plantada tenha crescido 1,5% nesta safra, com 783,3 mil hectares de plantio, a produção esperada é de 4,7 milhões de toneladas – 1,2 milhão de toneladas a menos do que a projeção inicial da safra. “Estes dados indicam que teremos que importar cerca de 2,5 milhões de toneladas de milho para suprir a demanda de rações para as cadeias de proteína animal”, avaliou Covatti Filho. A análise da Emater considerou 97,3% da área de cultivo.

Para milho silagem, a produção deve cair 20,7%, com 2,6 milhões de toneladas a menos, em área plantada de 334,8 mil hectares.  A produtividade estimada pela Emater tem queda de 19,9%, passando de 37.052 kg/hectare para 29.676 kg/hectare. A amostra se refere a 96,1% da área cultivada, que nesta safra foi reduzida em 1%.

Soja

Maior cultura de verão do Estado, a soja também está sendo castigada pela falta de chuva. O caso se agrava porque parte das lavouras ainda está em fase de desenvolvimento e enchimento do grão, e a ausência de água pode impactar ainda mais os resultados preliminares divulgados pela Emater. Conforme o estudo apresentado à imprensa, as plantações de soja no Rio Grande do Sul tinham perdas de 16,4% na produtividade e 16,2% na produção em fevereiro. O Estado deverá colher 16,5 milhões de toneladas este ano, contra uma projeção inicial de safra de 19,7 milhões de toneladas.  Conforme o diretor técnico da Emater, o cenário atual indica uma perda de 54 milhões de sacas de soja, o equivalente a R$ 4 bilhões.

O secretário Covatti Filho informou que os dados foram encaminhados à ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, para reforçar a necessidade de ajuda federal para atender a uma série de demandas de entidades representativas do agro gaúcho. Os impactos da estiagem, na visão do secretário da Agricultura, devem reforçar a cultura da irrigação no Estado. “Em parceria com instituições financeiras e a partir de ações do programa Pró-Milho RS, queremos agregar muito na área de irrigação, pois estamos vendo perdas significativas que ainda podem ser agravadas”, afirmou.

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome

SIGA-NOS

42,064FãsCurtir
11,807SeguidoresSeguir
1,140InscritosInscrever

ÚLTIMAS

error: Alerta: Conteúdo protegido contra cópia. Utilize nossos botões de compartilhar.