Pronunciamento de Bolsonaro gera polêmica

(Brasília - DF, 24/03/2020) Pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro em Rede Nacional de Rádio e Televisão. Foto: Isac Nóbrega/PR

Na noite de terça-feira,24, o presidente Jair Messias Bolsonaro fez um pronunciamento em cadeia nacional para falar da pandemia de coronavírus.

Em sua fala o presidente defendeu que o clima de histeria deve ser descartado, e que somente o grupo de risco deve ficar em isolamento social, e os demais devem voltar ao trabalho.

Segundo Bolsonaro o vírus vai passar e o país precisa voltar a normalidade, mantendo os empregos e preservando a economia.

Para o presidente essa histeria está sendo provocada pela imprensa e pelos governadores e prefeitos, mas que não há motivos para pânico, pois o vírus somente é letal para os idosos.

Repercussão

Após o discurso de Bolsonaro, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), criticou em um comunicado o posicionamento de Bolsonaro. “Neste momento grave, o país precisa de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população. Consideramos grave a posição externada pelo presidente da República em cadeia nacional, de ataque às medidas de contenção ao Covid-19. Posição que está na contramão das ações adotadas em outros países e sugeridas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) também se manifestou em suas redes socias. “Desde o início desta crise venho pedindo sensatez, equilíbrio e união. O pronunciamento do presidente foi equivocado ao atacar a imprensa, os governadores e especialistas em saúde pública. Cabe aos brasileiros seguirem as normas determinadas pela OMS e pelo Ministério da Saúde em respeito aos idosos e a todos que estão em grupo de risco”.

Além do presidente da Câmara e do Senado governadores, prefeitos e outros políticos se manifestaram contra o pronunciamento.

O governador Eduardo Leite  se manifestou defendendo o isolamento social e as medidas adotadas pelos governadores e prefeitos. “É urgente promover alternativas ao confinamento, mas não se faz isso com ataques à ciência e cautela médica mundialmente estabelecidas. Não deixamos de olhar economia e empregos. Mas não assistiremos inertes a uma doença se alastrar. protege-se primeiro a vida e em segundo os empregos, nessa ordem”, disse o governador.

Também houve repercussão negativa na imprensa internacional, questionando o posicionamento do presidente que em seu discurso foi contra as orientações da OMS.

Repercussão nas redes sociais

O pronunciamento também teve grande repercussão nas redes sociais. Na região a discussão foi grande, alguns defendendo Bolsonaro entendendo que a economia e os empregos devem ter prioridade, pois na visão deles muitas empresas podem quebrar gerando uma crise ainda maior. Os defensores dessa ideia também concordam que apenas os idosos e o grupo de risco devem se manter em isolamento.

Já os que são contra o pronunciamento argumentam que nessa hora o que deve ser preservada é a vida e a saúde da população, uma vez que a epidemia tem se alastrado e o perigo de contágio é grande num país que não tem estrutura hospitalar.

*Foto Agência Brasil

 

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome