Propriedade rural de Arvorezinha é a primeira no estado a receber certificação agroflorestal

0
98

O documento permite que o produtor realize todos os manejos necessários na propriedade com total regularidade ambiental

A família Livinalli, moradora da Linha Terceira, interior de Arvorezinha, tem motivos de sobra para comemorar. A propriedade que conta com 34 hectares é a primeira no estado do Rio Grande do Sul a receber certificação agroflorestal em erva-mate.
O documento foi conquistado após o proprietário, Ivando Livinalli, cadastrar a propriedade para receber a vistoria da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) em uma tarde de campo realizada no dia 25 de janeiro, a qual contou com a presença de produtores de toda a região, lideranças políticas, representantes da Emater/RS-Ascar, empresários do setor ervateiro e demais pessoas ligadas à cadeia que puderam aprender mais sobre a certificação para o uso de flora nativa e sobre o sistema agroflorestal que mistura espécies agrícolas no mesmo espaço resultando no sombreamento.

Tarde de Campo ocorreu no dia 25 de janeiro

Na tarde de ontem, quinta-feira, 30, o certificado foi entregue à família Livinalli. O ato ocorreu na propriedade e contou com a presença de dezenas de pessoas, incluindo representantes da Emater e de empresas ervateiras do município, e autoridades como o prefeito de Ilópolis Edmar Rovadoschi, a presidente da Câmara de Vereadores de Arvorezinha Sueli Lodi Giordani e vereadora Marisa Parisotto, o presidente do Sindimate Alvaro Pompermayer, o presidente da Associação dos Amigos da Erva-Mate do Vale do Taquari Ismael Rosset, o gerente da unidade centro do Sicredi de Arvorezinha Eduardo Oliveira e o secretário de Agricultura de Ilópolis Jurandir Marques.
“É um misto de muito orgulho e responsabilidade para a família Livinalli. Foi difícil conseguir atender todos os requisitos, mas no final deu tudo certo, inclusive já até incentivei outros produtores a também buscarem a certificação. É motivo de orgulho também para essa propriedade, que é antiga e por ela já passaram quatro gerações. É motivo de orgulho para a Linha Terceira Baixa, para o município e para o Rio Grande do Sul”, ressalta Ivando Livinalli. A certificação é válida por cinco anos, após deve ser renovada com uma nova vistoria da Sema.
De acordo com Livinalli aderir ao sistema agroflorestal é muito vantajoso. “Além de você estar trabalhando na sombra, você protege o meio ambiente, faz um reflorestamento e forma uma qualidade boa de erva-mate. Sou sabedor de tudo isso e aderi ao sistema, devido à minha grande incentivadora, Ervateira Valério, com a qual já tenho 14 anos de parceria. Eles compram o meu produto e eu sigo as recomendações e acompanhamento técnico deles e com isso estou muito contente, estou vendo resultados e sendo bem remunerado”, disse ele que entrega toda a sua produção para a Ervateira Valério.

Ato de entrega ocorreu na tarde de ontem e contou com a presença de dezenas de pessoas

O extensionista da Emater, Júlio Marcon, parabenizou a família pela iniciativa. “Foi um processo que não conhecíamos muito bem, mas que no decorrer da caminhada aprendemos muita coisa e hoje conseguimos orientar os produtores que buscam a certificação da melhor forma. O Ivando é o pioneiro no estado quanto à certificação, mas a Tarde de Campo realizada em sua propriedade em janeiro oportunizou mais dois produtores de Arvorezinha e um de Putinga a também a encaminharem a certificação”, revela.
Para o secretário de Agricultura de Ilópolis, Jurandir Marques, a atitude da família foi louvável para o setor ervateiro. “É também uma grande oportunidade para que o setor ervateiro da região alta do Vale do Taquari implante definitivamente a Indicação Geográfica (IG) da erva-mate que começa exatamente nesse corpo a corpo, de propriedade em propriedade, sabendo que erva-mate é alimento, mas nunca esquecendo da sua história e dos trabalhos construídos no passado. A IG requer exatamente toda essa caminhada para que possamos ter o reconhecimento do consumidor dessa erva-mate fazendo com que nossa região seja diferenciada das demais”, pontuou.

O que é a certificação
A certificação é uma autorização, dentro daquilo que a lei ambiental define ser uma área que pode ser manejada com espécies nativas. O foco da certificação é dar o amparo jurídico necessário para que o produtor rural consiga explorar as espécies nativas com o viés da conservação. A certificação unifica cerca de 13 procedimentos previstos em lei para exploração de espécies nativas de uso comercial.

Ivando Livinalli recebeu o certificado das mãos do secretário de Agricultura de Ilópolis Jurandir Marques e do extensionista da Emater, Júlio Marcon

Como obter a certificação ambiental agroflorestal e extrativista
Para se cadastrar o procedimento é simples. Basta acessar o site www.sol.rs.gov.br, seguir os passos, acrescentar as informações necessárias e feito isso, a SEMA agendará uma visita à propriedade do solicitante, para determinação dos manejos que serão feitos na propriedade e quais são as plantas de interesse de cultivo ou exploração e suas permissões e proibições.
Além disso, o requerente pode também procurar sua Prefeitura, escritório da Emater, Sindicato Rural, ou Associação de Produtores, para obter auxílio para acessar o requerimento de certificação já disponibilizado no Sistema Online de Licenciamento Ambiental – SOL (http://www.sema.rs.gov.br/sistema-online-de-licenciamento-ambiental-sol).

Isenção total de taxas e apoio em assistência técnica
Agricultores familiares, populações tradicionais, indígenas e quilombolas são isentos do pagamento de quaisquer taxas, e dispensado de apresentar responsável técnico, ou seja, não deve pagar nenhuma taxa para nenhum órgão ou técnico. Os técnicos da Sema são os responsáveis tecnicamente pelos projetos.

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome