Essa matéria é exclusiva para assinantes do jornal digital.

Já sou assinante do jornal digital!

InícioDestaqueAos 97 anos, Armando Bavaresco terá sua vida profissional retratada em documentário

Aos 97 anos, Armando Bavaresco terá sua vida profissional retratada em documentário

O primeiro fotógrafo de Nova Alvorada registrou inúmeros momentos marcantes

Por Manoela Alves

 

- Advertisement -

Armando Bavaresco, o primeiro fotógrafo de Nova Alvorada, carinhosamente conhecido como Armandinho, completou 97 anos de vida no dia 6 de janeiro. No dia 26 do mesmo mês, completou 70 anos de casamento com sua parceira de vida, Helena Bruscatto Bavaresco, com quem teve dez filhos.

Armandinho sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) transitório há quatro anos, o que tem dificultado sua locomoção e sua memória, conforme explica um dos filhos: “Ele foi o primeiro sapateiro da cidade, além de fotógrafo. Até o AVC, ele ainda fazia pequenos consertos de calçados, e seu último trabalho foi uma sela para cavalo”, conta a filha Cleusa, que mesmo morando em Marau sempre está junto aos pais.

Ele sempre morou em Nova Alvorada e teve sua primeira sapataria no porão da casa de seu pai, onde deu início à profissão, hoje quase extinta. “Durante a semana, ele trabalhava na sapataria, com consertos e confecção de sapatos e de botas para lida. Aos finais de semana, ele ia para as comunidades do interior fotografar os bailes, além de casamentos e fotos de família”, continua Cleusa.

Armandinho ainda realizava todo processo de revelação em sua casa, contando com o auxílio da sua esposa e de seus filhos. “Eu sempre ajudava também, era um processo delicado e com várias etapas. Geralmente eu ficava com a parte de recortar as fotos”, conta Helena.

Filho tentou seguir os passos do pai

Paulo, o mais novo dos dez irmãos, sempre esteve próximo aos pais e chegou a morar na mesma rua, indo visitá-los todos os dias. “Eu aprendi o ofício de sapateiro com o meu pai, e desde pequeno o auxiliei no trabalho. É uma arte que hoje em dia já está desvalorizada, assim como a fotografia. Os tempos mudam, tudo vai ficando mais tecnológico e menos artesanal, como era na época do nosso pai”, ele conta.

Documentário fará o resgate histórico da fotografia

Em um documentário gravado em Nova Alvorada, a Doutora e Mestre em Ciências da Linguagem pela Universidade do Sul de Santa Catarina, Mara Lúcia Salla, tem objetivo de promover um resgate histórico-cultural usando o trabalho de Armando Bavaresco como base, uma vez que seus registros do passado guardam boas lembranças da comunidade, assim como dos costumes da época e dos primeiros moradores da região.

Mara, que é natural de Nova Alvorada, mas mudou-se ainda criança, está satisfeita em poder recriar uma linha do tempo, mostrando os primeiros registros históricos de sua terra natal.

Paulo relata que muitas pessoas estiveram participando das filmagens, trazendo a contribuição de retratos antigos tirados por Armando, que atuou como fotógrafo por mais de 40 anos. “Ele acabou abandonado o ofício em razão dos equipamentos que ficaram cada vez mais modernos e, por isso, tornou mais escassa a procura pelo trabalho. Assim, ele acabou seguindo apenas com a sapataria, que já demandava muito trabalho”.

Os equipamentos antigos de Armandinho Bavaresco, assim como algumas fotografias tiradas por ele, estão expostos no Museu Municipal Dionísio Romanini, localizado na Casa de Cultura Nayr Menegon.

Equipamentos de trabalho estão expostos em Museu Municipal Dionísio Romanini

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome

SIGA-NOS

42,064FãsCurtir
11,807SeguidoresSeguir
1,140InscritosInscrever

ÚLTIMAS

error: Alerta: Conteúdo protegido contra cópia. Utilize nossos botões de compartilhar.