InícioDestaqueFundo para diversificação na produção de tabaco deve sair da carga tributária,...

Fundo para diversificação na produção de tabaco deve sair da carga tributária, defende Amprotabaco

Audiência Pública cria lista de pedidos do setor tabagista ao governo federal; Participação da Amprotabaco na COP-8 também foi tema da reunião

Santa Cruz do Sul – A Audiência Pública do Tabaco realizada nesta segunda-feira, no Pavilhão Central da Oktoberfest resultou em uma pauta com solicitações ao governo federal. O encontro realizado pela Comissão Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados pede para que o governo explique as regras do financiamento rural, revele quais são as propostas do Brasil à 8ª Conferência das Partes (COP-8), solicita a criação de um fundo para a diversificação da propriedade produtora de tabaco e ainda quer que o governo confirme a participação da Associação dos Municípios Produtores de Tabaco (Amprotabaco) na delegação oficial do Brasil na COP-8.
Conforme o tesoureiro da Amprotabaco, Giovane Wickert, o primeiro ponto discutido pelas lideranças e deputados que participaram do encontro foi a situação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que pretende restringir o acesso ao crédito para o produtor de tabaco. “Nós queremos saber se realmente isto está em discussão e se for positivo, precisamos agir para garantir o acesso ao produtor de tabaco”, destaca.
Wickert explica inda que o segundo tema debatido diz respeito à pauta de assuntos que a Comissão Nacional para Implementação da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CONICQ) irá levar para Genebra, na Suíça, durante a 8ª Convenção das Partes (COP-8). “Precisamos saber qual é o real posicionamento do Brasil, pois temas como o contrabando e o cigarro eletrônico interessam os municípios produtores.”
O terceiro tema abordado durante o evento, que contou com a participação de mais de 500 pessoas, tratou da criação de um fundo para a diversificação na propriedade produtora de tabaco. Porém, a Amprotabaco é contrária à criação de um novo imposto. Atualmente, tramita no Congresso Nacional a proposta da “Cide-Tabaco”, com objetivo de financiar a diversificação. Porém, a inclusão de mais uma taxa sobre o produto, dará ainda mais força ao contrabando e ao mercado ilegal de cigarros. “Precisa ficar bem claro que não somos a favor de um novo imposto. Estamos propondo a divisão de parte dos 76% de tributo que já incidem sobre o cigarro para a viabilidade de um fundo, mas jamais à criação de mais um imposto na cadeia produtiva do tabaco”, resume o tesoureiro da Amprotabaco.

Pedido à Casa Civil

- Advertisement -

De acordo com o consultor executivo da Amprotabaco, Dalvi Soares de Freitas, a associação encaminhou, via deputado federal Alceu Moreira (MDB), mais um pedido direcionado ao ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. “Nós queremos que um membro da Amprotabaco seja nomeado participante da delegação oficial do Brasil na COP-8, para que os prefeitos tenham participação, pelo menos como ouvintes no encontro”, reforça Freitas.
A própria CONICQ já se mostrou sensível à participação dos municípios na COP-8, por meio da mobilização feita pela Amprotabaco junto ao órgão. “Agora iremos aguardar o retorno da Casa Civil, que deve ocorrer ainda nos próximos dias”, complementa o consultor.

Geral
Audiencia Publica Comissao Agricultura; COP 8; Pronaf; Tabaco

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome

SIGA-NOS

42,064FãsCurtir
11,807SeguidoresSeguir
1,140InscritosInscrever

ÚLTIMAS

error: Alerta: Conteúdo protegido contra cópia. Utilize nossos botões de compartilhar.