Volta das chuvas traz otimismo

135
Produtor de Camargo aproveita a produção para alimentar os animais

Em fase de enchimento dos grãos, maturação e início da colheita, a cultura do milho foi beneficiada com o retorno da umidade no solo em razão das chuvas das últimas duas semanas, amenizando os sinais que poderiam indicar a quebra de safra.

Mesmo assim, de acordo com informativo publicado pela Emater, é inevitável a diminuição no potencial produtivo de áreas implantadas no final de setembro. A falta de umidade deste período deverá causar redução da produtividade em várias áreas de lavouras, pois se observam espigas com falhas de grãos e ausência no terço superior das espigas.
Mesmo com a restrição de chuvas dessa primeira quinzena de dezembro e com as altas temperaturas ocorridas, grande parte das lavouras ainda tem condições de recuperação e de expressar boas produtividades, desde que as chuvas se mantenham nos próximos dias.
Em Arvorezinha, segundo levantamento da Emater, a área de milho grão neste ano é estimada em 2,5 mil hectares, 100 a menos do que o registrado no ano anterior. Já a área de milho silagem se mantém em 800 hectares.
As plantações de milho perdem espaço para soja na região. Na maioria das propriedades, apenas um trecho é destinado para o cultivo. O objetivo dos produtores é diminuir os custos da alimentação dos animais, principalmente por meio de silagem. A produção se destina basicamente ao consumo na propriedade com a comercialização dos excedentes.
O camarguense Arildo Lodi, 48 anos, espera colher 150 sacas no hectare que plantou na comunidade de São Pedro do Gramado, um pequeno espaço se comparado ao de sua produção de soja. O objetivo é destinar os grãos para os animais, porque segundo o produtor dá mais resultado do que vender os grãos. “Se for vender o milho só se ganha R$ 23 por saca, e aí para comprar para os animais custaria R$ 30”, afirma o produtor.

Dicas de produção de silagem

A produção de silagem, destinada aos bovinos para o ano todo, começou nesta semana. Em muitos municípios existem filas de produtores para solicitarem serviços prestados pela Administração Municipal.
O técnico em agropecuária da Emater de Arvorezinha, Cleber Schuster dá algumas dicas sobre como produzi-la com eficácia. De acordo com ele, a principal orientação para esta época é quanto ao ponto de colheita da silagem, que deve ser quando a linha do leite no grão do milho estiver a um terço do tamanho do grão, partindo da base. “Isto se verifica quebrando ao meio a espiga e olhando os grãos da base em direção a ponta da espiga”.
Outra observação quanto ao ponto correto de colheita da silagem é quando as palhas da espiga começam a trocar de cor e quando o grão estiver farináceo a duro. Schuster também indica alguns cuidados na ensilagem: afiar bem as facas e regular a contra faca da ensiladeira, pois o grão deve ser quebrado em 3 a 4 partes e o material deve ser bem picado, porém não demasiadamente fino.
Schuster ainda observa que a silagem deve ser compactada a cada camada de 30 centímetros no máximo, sem conter sujeiras ou terra e o silo deverá ser fechado no mesmo dia da colheita, colocando-se lona e algum peso sobre esta para a retirada do ar.

Construção de silos

Outra orientação importante para quem guarda milho em espiga na propriedade é a construção de silos secadores para a armazenagem do grão.
De acordo com o técnico, a construção é de baixo custo, reduz a mão de obra e a perda pelo ataque de pragas. “Em resumo é viável técnica e economicamente”.

Preço pode aumentar

A produção recorde no Brasil e nos Estados Unidos contribuiu para a queda do preço do milho em 2017. Por um lado diminuiu o lucro nas lavouras, e por outro barateou a nutrição dos animais. Mas para 2018 projeta-se um cenário diferente. Com estoque ainda alto por conta de 2017, os Estados Unidos diminuíram a área destinada ao milho neste ano, o que abrirá espaço no mercado. Por enquanto, de acordo com a Emater, a comercialização no Estado segue estável, mas proporcionando, na semana, pequeno aumento no valor médio da saca de 60 kg, subindo 0,74%, com preço de R$ 27,32, com variação entre R$ 25,00 a R$ 33,00.

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome