Essa matéria é exclusiva para assinantes do jornal digital.

Já sou assinante do jornal digital!

InícioDestaque“O dia do Sim: Um Resgate dos Casamentos em Nova Alvorada”

“O dia do Sim: Um Resgate dos Casamentos em Nova Alvorada”

Projeto escolar resgata a história dos casamentos realizados no município

Por Manoela Alves

Dando continuidade às celebrações aos 34 anos de emancipação político administrativa do município de Nova Alvorada, foi desenvolvido pela professora de história, Renata Vezaro, o projeto “O dia do Sim: Um Resgate dos Casamentos em Nova Alvorada”.

- Advertisement -

Os alunos do sexto, sétimo, oitavo e nono ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental Edílio Luiz Chesties, realizaram um trabalho de pesquisa e resgate, por meio de fotografias, relatos e depoimentos, e puderam compartilhar as histórias de momentos importantes para as famílias do município.

“O projeto foi desenvolvido pois a escola precisa cumprir seu papel social também, não apenas na parte disciplinar, mas colocar fatos que envolvam a nossa comunidade dentro do contexto escolar. Eu vejo a necessidade de fazer atividades que envolvam pessoas e as famílias, não nos restringindo apenas à parte política, mas a parte social e familiar, onde os alunos se sentem inseridos no meio em que vivem, compartilhando um pouco da sua história familiar”, explica a professora.

 

A escolha do tema

No contexto histórico o mês de maio é chamado de “Mês das Noivas”, muitos motivos são atribuídos a este fato, como o início do outono trazendo um clima mais agradável para o casamento e também por ser o mês das mães e de Maria, que traz sorte às mulheres que se casam.

Esse também foi um dos motivos que levaram Renata a escolher este tema para o projeto. “A intenção era mostrar os casamentos realizados em Nova Alvorada, mesmo antes da emancipação, dado que o município tem muita história e acontecimentos importantes anteriores aos seus 34 anos”, explica.

O casal mais antigo que foi citado nas pesquisas completou 55 anos de matrimônio e o mais recente casou-se em fevereiro deste ano.

A pesquisa foi feita toda dentro das famílias dos alunos e era pedido que eles trouxessem uma fotografia, a data da união, o nome do casal e contassem um fato inusitado ou curiosidade que marcou ainda mais este dia.

“As histórias foram variadas e de todos os tipos, desde noivos que esqueceram as alianças, até a vaca que comeu o bolo de casamento. No decorrer dos relatos pareciam histórias de novela, mas não, são histórias de pessoas reais que estão inseridas na nossa comunidade e nas nossas famílias”, continua Renata.

Cada turma teve uma montagem de slides para o dia da apresentação e depois a professora fez um vídeo montagem para divulgação nas redes sociais, mostrando um pouco de tudo que foi realizado nas pesquisas.

Diferentes costumes em diferentes épocas

No decorrer das apresentações os alunos puderam perceber a diferença dos casamentos mais antigos, desde o vestuário dos noivos e convidados, até mesmo as comidas servidas e os locais onde eram realizadas as recepções.

“Promover um trabalho desta dimensão é trazer a interação da família dos alunos que puderam compartilhar suas histórias. É a percepção da mudança, desde o estilo de fotografia e tecnologias”.

Ele continua: “O casamento era o momento em que a comunidade se unia para ajudar, onde os vestidos eram confeccionados pelas costureiras e toda a comida era feita em casa. Não havia os recursos que temos hoje e isso é algo a ser debatido. Aulas de histórias não são apenas para o estudo de acontecimentos gerais, também é o conhecimento de sua história familiar e de sua comunidade”.

 

Um projeto belo que promove a integração

A professora se diz satisfeita com os resultados atingidos neste trabalho. “Foi muito gratificante, pois a dedicação que eles tiveram neste trabalho foi muito grande, apesar de não ser algo que contava nota, pois nem todos os alunos tem familiares casados aqui no município. Mas a interação foi muito boa e esclarecedora”, explica a professora.

“A discussão se torna abrangente, quando fazemos a analise das diferenças de uma época para outra, mas não era um trabalho com contagem de pontos, mas sim um resgate histórico, um momento de debate entre os alunos. Os nossos jovens nos surpreendem e se superam a cada desafio lançado”, finaliza.

Deixe uma resposta

Digite seu comentário
Por favor, informe seu nome

SIGA-NOS

42,064FãsCurtir
11,807SeguidoresSeguir
1,140InscritosInscrever

ÚLTIMAS

error: Alerta: Conteúdo protegido contra cópia. Utilize nossos botões de compartilhar.