Aumento da produção e redução do consumo faz preço do leite baixar

0
101
Alírio Canton com a neta tratando as vacas

Produtores ligam sinal de alerta com a diminuição de mais de 6% no valor pago pelo litro

O sinal amarelo está, novamente, aceso na cadeia produtiva do leite. Depois de um período em que o produto teve expressiva valorização, especialmente, após a realização da greve dos caminhoneiros, chegando a registrar aumento de 20% em determinadas partes do país, o valor está em queda e a tendência, de acordo com especialistas de mercado, é que continue assim. A perda nos últimos três meses já supera os 6% na propriedade. A principal explicação, de acordo com o secretário executivo do Sindicato da Indústria de Laticínios (Sindilat/RS), Darlan Palharini, é o excesso de produção e a baixa no consumo.
A lei da oferta e da procura, como é conhecida no meio comercial, faz com que quando há muito produto disponível para os clientes, a tendência é que ocorra uma disputa no preço para conseguir despachar o estoque. Com isto, baixa o valor pago pelo consumidor final e esta consequência chega até a propriedade. “Como praticamente não temos exportação de leite, e este é um produto de vida curta, quase metade acaba virando UHT, que deve ser consumido em até quatro meses, o setor acaba sendo pressionado pelo mercado”, explica.
Os reflexos já são sentidos na propriedade de Alírio Canton, em Linha Dossena, Anta Gorda. Ele e a esposa trabalham há mais de 50 anos com a produção de leite e gado de corte, se deparando com incontáveis momentos de incerteza sobre o que irá representar a produção no orçamento familiar. “Na hora em que o preço está lá em cima, dá para ganhar bem, mas quando baixa chega a pagar para trabalhar. Isto desmotiva, mas não podemos desistir, porque o nosso ramo é assim”, afirma.
Com 35 vacas de leite em produção, ele acredita que um preço mediano seria melhor do que a elevação mais radical, percebida em determinados momentos do ano. Em 2018, chegou a superar R$ 1,55 o litro na propriedade. Agora, diz Canton está em torno de R$ 1,14. “Se tivesse ficado em R$ 1,30, seria bem melhor”, afirma. Entende que a manutenção poderia garantir o custeio e dar boa lucratividade. “Hoje não tem como não pensar na qualidade, então o custo se eleva, além disto, as vacas estão mais delicadas do que em outras épocas”, explica.
Tendência
Darlan Palharini conta que o Sindilat está trabalhando com o governo federal meios para conseguir colocar o produto brasileiro no mercado internacional. Mesmo as perdas sendo bastante sentidas nas propriedades rurais, ele afirma que as empresas tiveram uma redução ainda maior. E o problema é que estas reduções devem continuar sendo sentidas por, pelo menos, mais três meses.
A tendência, seguindo o mesmo desempenho dos outros anos, é que em fevereiro este desempenho negativo comece a virar no gráfico custo de produção/rendimento. Enquanto isto, o consumidor deve encontrar o litro de leite UHT (o mais comum, encontrado, geralmente em caixinhas nas prateleiras dos supermercados) a até R$ 1,99. “Ficando abaixo de R$ 2 para o consumidor é preocupante, porque a média deve sofrer outras baixas ainda mais significativas.”

Sugestão
Uma ideia que foi dada ao governo federal é instituir para o setor o Prêmio de Escoamento de Produção (PEP), que já é feito com o arroz e representa subsídio em alguns pontos da produção, como no frete, o que reduz o custo do produto nacional e o torna mais competitivo no mercado internacional.
A representatividade da logística no custo Brasil é bem significativa. Como a produtividade nacional é menor do que a dos países vizinhos, a coleta do material demanda bem mais tempo e distância. Palharini conta que uma propriedade brasileira consegue, em média, 50 mil litros por ano, enquanto no Uruguai chega a 500 mil e, na Argentina, 1 milhão de litros por ano. “A produção média diária são 173 litros, o que exige que um caminhão percorra muitas propriedades até que esteja cheio”, conta.
Com a diminuição do custo de produção também poderia ser equilibrado, ainda mais, o destino do leite. Antes, cerca de 60% virava UHT, que fica, no máximo 30 dias em estoque nas indústrias. Este percentual caiu para 40%, dando maior espaço para a produção de leite em pó, que tem durabilidade de até um ano, permitindo maior estoque e controle de mercado.

O problema chamado importação
A compra de leite uruguaio e argentino sempre foi um entrave para o crescimento do mercado nacional. Atualmente, o principal motivador para adquirir o produto dos países vizinhos já não existe. A diferença no valor do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) já não existe. “Ainda há o inconveniente de que eles conseguem fazer um preço mais atrativo do que o nosso, o que ainda é um atrativo, mas já não tem mais o mesmo peso que tinha”, afirma Palharim.
Sobre este assunto, em entrevista à Globo Rural, na sexta-feira, 23, a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina (DEM-MS), disse que o Mercosul tem que ser revisto, em especial, questões como a entrada do leite do Uruguai no Brasil. Ainda no governo de Michel Temer houve uma investigação para ver a origem do produto que chegava, em uma suposição de que os uruguaios apenas estariam intermediando a transação comercial – o que não foi comprovado.
A ministra entende que com o preço melhor fora do país, a tendência é que se compre e o produtor nacional acaba deixando o setor. Com a crise no último ano, acredita-se que mais de 25 mil pessoas deixaram a cadeia produtiva. Só no Vale do Taquari, que fomenta a criação do selo Vale dos Lácteos e é um dos polos de produção no Rio Grande do Sul, mais de mil famílias abandonaram.

Secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini, destaca sequência de queda no valor do leite

Deixe seu comentário