Quem não aprecia um bom vinho?

0
126
Diversos tipos de uva são produzidos no local

A história empreendedora de Paulo Valdameri e Rodrigo Draguetti

O sol forte justifica o uso de um chapéu, o barro deixado pela chuva requer o uso de botinas de borracha e o constante trabalho na construção necessita uma roupa mais leve e surrada. Essa é a realidade vivida neste momento por Paulo Valdameri e os trabalhadores envolvidos na construção de um vitivinícola em Linha Taquara, em Putinga.
O escavo, as marcações de terra, a base das paredes iniciaram ainda na semana passada, tudo ainda muito recente. Valdameri conta que a necessidade de um local adequado para produzir, foi em razão do espaço do mercado. “Hoje a fiscalização exige o registro do vinho, que tenhamos um rótulo credenciado. Eu, após trabalhar em São Paulo e Paraná, resolvi investir na cidade onde nasci. Há mais de 20 anos lido com parreirais, e quando vi que somente comercializar a uva ficava inviável, resolvemos agregar mais valor com a produção de vinho. No início, em uma pequena quantia, depois começamos e vender e deu certo.”

A Vitivinícola Valti
A empresa já possui nome. Se chamará Vitivinícola Valti. O porquê do nome? “Tava difícil, pra escolha e no fim como precisávamos de um nome com uma certa urgência, foi uma junção dos dois sobre nomes, na verdade. Meu que é Valdameri e de meu sócio Rodrigo Draguetti.” Draguetti, atualmente, trabalha em uma outra empresa e, com seu sogro, decidiu apostar em um negócio próprio, como é a realidade de maior parte das empresas da região.

A produção de uva
Valdameri produz em torno de 50 toneladas de uva por safra e a possibilidade é de que aumente. “Pretendemos futuramente produzir aproximadamente cem toneladas por ano o que resulta em 50 mil a 60 mil litros de vinho, comercializados em municípios próximos, na região metropolitana, norte do Estado, como Passo Fundo, Ernestina, Soledade e até mesmo Nonoai.
No caso de Minas Gerais e Brasília temos algumas amizades, o que facilita o interesse para se levar o nosso nome a alcançar outras fronteiras.”

O incentivo
Valdameri conclui dizendo que para que o negócio pudesse ter sido viabilizado houve o total apoio da Emater/RS-Ascar. “O apoio da instituição foi de suma importância para que obtivéssemos a legalização de nossos vinhos e todas as orientações necessárias no sentido da organização inicial e de um futuro promissor.”

A construção
A empresa, em mais de 240 metros quadrados, fará com que a uva seja colhida direto da parreira e conduzida ao processo de industrialização do vinho. “O espaço é suficiente para produção inicial, contudo se o nosso produto for bem aceito, vamos aumentar”. O gasto com o pavilhão será aproximadamente R$ 160 mil. “Uma parte de economia entre eu e o meu sócio já temos, o restante tivemos de financiar e aguardamos incentivos por parte da Administração Municipal, que já nos auxiliou na terraplanagem, contudo falta ainda a brita e algum recurso para que possamos aplicar na aquisição de equipamentos, pipas, enfim.” Para equipar toda a empresa como requer a necessidade, ao longo dos anos deverão ser investidos cerca de R$ 500 mil.

Sócios acreditam que o momento é de investimento com coragem
Quando questionado a respeito da crise econômica, política e moral vivida pelo país, o empreendedor afirma: “Em tempos de crise a coragem é tudo, temos de vencer os desafios, às vezes temos dias de desânimo que nos exigem superação e são nestes momentos que testamos a nossa resiliência. Como possuímos a matéria-prima, isso facilita e esperamos que os novos governos olhem com carinho para o pequeno empresário”. O gosto por aquilo que se faz já vem de família. Conforme Paulo Valdameri, o pai e o avô eram praticantes desta atividade e a situação apresentada em outros momentos da vida facilitou a escolha deste rumo a seguir.

Saiba Mais:

Qualidades de vinho
A característica do vinho a ser comercializado será o colonial, de diversos tipos, o niágara, champagne, moscato, bordô em virtude de que estas uvas são produzidas pelos próprios sócios. A tendência é de que mais pra frente haja a produção de vinhos finos, com a uva sendo produzida no local mesmo ou adquirida de outros lugares.

Valdameri acompanhado dos trabalhadores que atuam na construção da obra
Previsão é de o empreendimento seja concluídio em 45 dias
Valdameri (D) acompanhado de seu genro e sócio Draguetti

Deixe seu comentário