Agricultores apostam na irrigação para pastagem de qualidade

0
53
Salustiano Miri utilizará o sistema de irrigação pela primeira vez nesse ano

Em Camargo e Nova Alvorada, produtores de leite buscam uma garantia durante o verão

Como forma de instruir os produtores de leite para o aumento de renda e com custos baixos, os escritórios municipais da Emater de Camargo e Nova Alvorada estão desenvolvendo projetos de sistema de irrigação nas propriedades.
Em Camargo, Salustiano Miri, da comunidade de Tunas, apostou no sistema neste ano. A próxima estação de verão será a primeira em que ele utilizará a irrigação numa área de 2,5 hectares.
Miri tem 20 vacas de leite e investiu R$ 24 mil no sistema para ter uma garantia no verão. “Ninguém sabe como vai ficar o tempo e quando dá seca tem que usar mais silagem, o que se torna mais caro para o leite. O nosso intuito é baratear o custo”, disse.
Para implantar a irrigação, Miri está enquadrado no Programa Estadual Mais Água Mais Renda e por meio disso conseguiu o licenciamento do açude e recebe o reembolso da primeira e última parcela do financiamento. Ainda, ele contou com o auxílio da Administração Municipal que preparou o espaço para a instalação da estrutura e o escavo para o açude.
Em Nova Alvorada, Lindomar Belani Guerini, de Posse Taborda, apostou no sistema ainda em 2017. A irrigação cobre cinco hectares de pastagem que serve de alimento para as 29 vacas de leite.
Com água suficiente na propriedade e buscando melhorar a pastagem no verão, Guerini apostou no método e investiu R$ 38 mil, por meio do Pronaf Mais Alimentos. “No verão além de produzir menos pasto, a qualidade é ruim e com a irrigação melhora a pastagem e também a produção”, disse. Ele também contou com auxílio da prefeitura para reformar o açude, abrir as valetas e enterrar o encanamento.
Além da irrigação, Guerini tem a fertirrigação que aduba a mesma área com os dejetos dos suínos. “Para implantar esse sistema gerou um custo de R$ 12 mil, por meio do Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimentos Rurais (Feaper), que custeou 80% e o restante fomos nós que pagamos”, conta, acrescentando que além de molhar, consegue distribuir os dejetos. “É um sistema que os dejetos de suínos são distribuídos por uma bomba – a mesma que irriga. Conseguimos molhar e distribuir, barateando o serviço, pois antes disso o nosso maior gasto era com combustível para distribuir esses dejetos”, explica.

Opinião técnica

Os técnicos da Emater, Matias Tedesco de Nova Alvorada e Carine Schussler de Camargo, que desenvolvem os projetos de implantação do sistema de irrigação nas propriedades, destacam que a irrigação em pastagem é uma técnica fundamental para a produção de alimentos para os bovinos, principalmente porque no verão, época em que o sol é mais intenso, aumenta a evaporação e as chuvas são mais escassas.
A água utilizada para irrigar as propriedades vem de um açude e é levada para a pastagem por uma bomba. “É uma técnica que proporciona aumento e qualidade na produção. Além disso, o método reduz os riscos de perdas da produção ocasionados por períodos de estiagem”, acrescentou Tedesco.
Para ter sucesso na aposta, a irrigação deve ser conduzida de forma correta. “É necessário adotar técnicas que possibilitem aplicar a água no momento e quantidade certa para suprir as exigências da lavoura e, nesse caso, da pastagem. Por isso a Emater faz todo um acompanhamento junto aos agricultores”, explica Carine.


Técnico da Emater, Matias Tedesco acompanha o andamento da irrigação na propriedade Belani Guerini, de Nova
Alvorada
Técnica da Emater
de Camargo, Carine Schussler

Deixe seu comentário